Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Acessos: 4934

HISTÓRICO da 1ª BRIGADA DE INFANTARIA DE SELVA

                A origem da 1ª Brigada de Infantaria de Selva prende-se à criação, em 21 de agosto de 1945, do Grupamento de Unidades-Escola (GUEs), com sede na Vila Militar, no Rio de Janeiro - RJ.

O GUEs, que foi instalado em 29 de janeiro de 1946, tinha por missão atender às necessidades de instrução do Centro de Aperfeiçoamento e Especialização do Realengo e realizar o adestramento com o equipamento e o armamento que estavam sendo recebidos pelo Exército, após o término da II Guerra Mundial.

O GUEs foi extinto em 1º janeiro 1969, dando origem a várias Brigadas, entre elas a 1ª Brigada de Infantaria, cuja sede permaneceu na Vila Militar. A partir de 1º de janeiro de 1972, a Brigada passou a denominar-se 1ª Brigada de Infantaria Motorizada, tendo, em 1975, sua sede transferida para a Cidade Imperial de Petrópolis.

A 1ª Brigada deconstrucao brigada Infantaria de Selva foi criada por Decreto Presidencial, de 13 de novembro de 1991, passando a funcionar a partir de 1º de janeiro de 1992, com a transferência do Comando da 1ª Brigada de Infantaria Motorizada de Petrópolis para Boa Vista - RR.

A denominação histórica de Brigada Lobo D’Almada e o seu estandarte histórico foram concedidos pela Portaria Ministerial Nr 202, de 23 de abril de 1993.

Manoel da Gama Lobo D’Almada foi um Brigadeiro português, que chegou ao Brasil em 1780 com a missão de comandar a Fortaleza de Macapá e realizar obras de fortificação que garantissem a soberania portuguesa em regiões ambicionadas pelos franceses. A partir de 1784, realizou a exploração das bacias do Rio Negro e do Rio Branco, garantindo a posse para Portugal dessa vasta região até então desconhecida e cobiçada pelos espanhóis e ingleses. Faleceu em 27 de outubro de 1799, deixando um nobre exemplo de abnegação e sentimento do dever. É dele a frase que serve de lema à Brigada. “Todo sangue que corre a serviço da Pátria é nobre”.

As mudanças de sede e denominação, freqüentes na história da Brigada, refletem a própria evolução da Força Terrestre no esforço de acompanhar as mudanças da conjuntura nacional e internacional.

Tpavilhao brigadaivemos, anteriormente, a honra de sermos constituídos por Unidades que defenderam o Brasil na Campanha da Itália e o representaram em São Domingos, e na República Dominicana.

Temos, hoje, a responsabilidade de zelar pela soberania e integridade deste setentrião brasileiro, bem como contribuir para a sua vivificação, o seu desenvolvimento e o bem - estar social da população local. Estamos presentes na Amazônia Brasileira como uma componente da Força Terrestre, projetando uma capacidade de dissuasão que desestimule qualquer aventura estrangeira contra nossa Pátria e seu território..

registrado em:
Fim do conteúdo da página